Sindicatos

Liberdade de aderir a um sindicato

De acordo com a Constituição, a liberdade de estabelecer, operar e aderir a sindicatos é garantida. O estabelecimento de sindicatos é regido pelo Código de Trabalho.

Os sindicatos adquirem personalidade jurídica pelo depósito de sua constituição e outros estatutos no ministério relevante do governo. O pedido de depósito é acompanhado de um certificado ou cópia autenticada da acta da assembleia constituinte, assinada por todos os trabalhadores que tenham participado da reunião. Há também a exigência de que um sindicato seja de natureza democrática e adopte políticas que reflictam essa natureza. Por fim, é necessário que seja independente do estado e do empregador. Os sindicatos e associações profissionais são independentes da administração, do Estado, dos partidos políticos, da igreja ou de organizações religiosas.

Os sindicatos têm o direito de participar dos órgãos de diálogo social e das agências de arbitragem, na definição da política das instituições de seguridade social e outras instituições que visam proteger e defender os interesses dos trabalhadores e na elaboração/elaboração da legislação trabalhista. Além ditso, eles também têm a tarefa de concluir acordos coletivos de trabalho.

Todos os trabalhadores são livres para formar associações sindicais ou associações profissionais em defesa de seus interesses colectivos ou individuais e também associações recreativas, de lazer ou culturais. Nenhum trabalhador ou grupo de trabalhadores pode ser perseguido, ameaçado ou de outra forma prejudicado por seus direitos decorrentes do trabalho em razão de sua filiação a uma associação. Além disso, ninguém é forçado a se associar a um sindicato ou associação profissional e a permanecer sindicalizado ou profissionalmente associado, nem é obrigado a pagar quotas a um sindicato ou associação profissional de que não são membros. Qualquer trabalhador comprovadamente sindicalizado sob ameaça ou coação movido por qualquer pessoa ou organização pode, dentro de um ano da data do registro, solicitar a anulação do registro sindical, e ele/ela também terá direito à restituição de qualquer coisa fornecida por ele/ ela enquanto membro desse sindicato.

Fonte: §61-63 da Constituição de Cabo Verde 1980 (revista em 1992); §15, 19-21, 68-76, 80-97 do Código do Trabalho 2007

Direito á liberdade de negociação colectiva

A Constituição concede aos sindicatos a capacidade de celebrar acordos coletivos de trabalho em nome dos membros dos sindicatos, enquanto a capacidade dos sindicatos de negociar colectivamente é regulada e regida pelo Código de Trabalho. Existem disposições no Código que identificam as partes de um acordo coletivo, o conteúdo de um acordo coletivo, o alcance dos acordos colectivos em nível geográfico e profissional, a forma do acordo colectivo, a conclusão de acordos colectivos, tempo e validade sectorial das convenções colectivas, sua rescisão, resolução de controvérsias colectivas de trabalho, registro e publicação pública de acordos colectivos.

As questões discutidas na negociação colectiva estão relacionadas a categorias, qualificações, níveis, elementos de remuneração; representação do pessoal dentro da empresa; condições de contratação e rescisão; duração do trabalho; feriados e feriados e garantias sociais; formação profissional; a área geográfica de aplicação e âmbito de aplicação profissional e a data de conclusão; o período de validade e o processo de rescisão e a regulação da solução pacífica de controvérsias colectivas de trabalho. As convenções colectivas podem conter apenas as disposições que são mais favoráveis ​​aos empregados do que aquelas previstas na lei.

Um acordo coletivo deve ser concluído por escrito; caso contrário, não será válido. Um acordo colectivo será concluído de acordo com os termos e condições acordados entre as partes, porém seu prazo não pode ser inferior a 2 anos. A implementação de acordos coletivos é regulamentada pelo governo e pela Diretoria do Trabalho.

Fonte: §63 da Constituição de Cabo Verde 1980 (revista em 1992); §98-111 do Código do Trabalho 2007

Direito á Greve

O direito de greve é um ​​direito constitucional. Os trabalhadores têm o direito de decidir sobre as ocasiões para fazer greve e os interesses que a greve pretende defender. Os bloqueios são proibidos e a lei regulará o exercício do direito de greve.

Há também disposições no âmbito do Código do Trabalho 2007. A greve é ​​definida como uma recusa colectiva e concertada e suspensão total do trabalho, visando defender e promover o interesse colectivo dos trabalhadores. Qualquer greve é ​​considerada ilegal quando: ocorre no local de trabalho; é realizada para apoiar interesses cuja perseguição por meio de greve é ​​considerada ilícita e uma greve cujo objetivo é modificar acordos colectivos de trabalho antes do vencimento do prazo. Os sindicatos são os principais responsáveis ​​pela organização da greve oficial. Os funcionários organizados como uma assembléia de trabalhadores também podem organizar uma greve, desde que a maioria dos empregados não seja sindicalista e tal assembleia/reunião seja convocada para esse propósito por pelo menos 20% dos empregados. A decisão de greve só é válida se a maioria dos empregados comparecer à assembléia / reunião e a greve for aprovada por maioria de votos. Se a maioria dos empregados são sindicalistas, então é o sindicato que deveria organizar a greve e qualquer greve organizada pelo conselho de trabalhadores seria considerada ilegal.

Durante a greve, os contractos de emprego dos funcionários participantes são suspensos e os empregadores são proibidos de empregar mão-de-obra temporária ou permanente para substituir os que estão em greve. Os empregadores também estão proibidos de oferecer incentivos àqueles que não entram em greve, portanto, qualquer forma de recompensa em dinheiro é ilegal. O empregador pode, no entanto, contractar com outra empresa para fornecer serviços ou fornecimento de bens que seriam inviáveis ​​devido à greve. Os trabalhadores não podem ser discriminados pelo empregador em razão de sua adesão à greve. Os trabalhadores também são obrigados a pagar pela greve e pelos serviços necessários para a segurança e manutenção de equipamentos e instalações.

A organização que decidiu entrar em greve deve comunicar sua decisão por escrito aos empregadores abrangidos pelas entidades de greve e à diretoria do trabalho em um adiantamento de 5 dias úteis e também deve incluir os detalhes relacionados à data e hora da paralisação, os locais de trabalho e categorias profissionais cobertas, a duração da greve, a identificação dos trabalhadores pertencentes ao comitê de greve. Representantes dos trabalhadores em greve devem garantir contatos com outras entidades para resolver o conflito, dar conselhos sobre a determinação dos serviços mínimos necessários para atender às necessidades sociais e também dar conselhos sobre a determinação dos serviços necessários para a segurança e manutenção dos equipamentos e instalações.

Quando uma empresa está envolvida na prestação de serviços essenciais, os trabalhadores são obrigados a garantir a prestação de serviços mínimos durante a greve. Os serviços essenciais são: Correios e telecomunicações; Serviços de saúde, meteorologia e justiça; Serviços funerários; abastecimento de água e saneamento; fornecimento de energia e combustível; Fogo; transportes, portos e aeroportos; Carregamento e descarregamento de animais e produtos alimentares; banca e crédito e Segurança Privada. Geralmente, a questão da prestação de serviços mínimos será decidida entre o empregador e os empregados e, na ausência disso, o governo será encarregado da responsabilidade de estabelecer os serviços. De acordo o Código do Trabalho de 2016, os serviços mínimos podem ser determinados por uma comissão independente tripartida composta por um representante de governo, empregador e trabalhador e dois outros representantes escolhidos pelo governo. Por fim, a greve termina no final do período indicado no aviso ou se as entidades que declararam a greve chegarem a uma resolução.

Fonte: §64 da Constituição de Cabo Verde 1980 (revista em 1992); §23-24 e 112-125 do Código do Trabalho de 2007

loading...
Loading...